Lay-off simplificado impede despedimentos nos 60 dias depois

Uma das medidas mais procuradas pelas empresas para mitigar os efeitos da Covid-19 é o lay-off simplificado. Nesta segunda fase de desconfinamento, existem muitas empresas que se debatem com a falta de apoios no regresso à actividade.

Despedimentos podem implicar devolução total à Segurança Social
No diploma que aprovou o lay-off simplificado consta uma norma relativa à proibição de despedimentos que estabelece que durante o período de aplicação das medidas de apoio, bem como nos 60 dias seguintes o empregador não pode fazer cessar contratos de trabalho de trabalhadores abrangidos por aquelas medidas, ao abrigo das modalidades de despedimento colectivo ou despedimento por extinção do posto de trabalho.

E se se tratar de um despedimento por justa causa? E se for o fim da renovação de um contrato a prazo?
Com este enquadramento, afigura-se-nos que nada impede as empresas que receberam apoios do lay-off simplificado de, por exemplo:
- Procederem à denúncia de contratos de trabalho no período experimental;
 
- Instaurem procedimentos disciplinares com vista ao despedimento com justa causa (despedimento disciplinar);
 
- Comunicarem a caducidade de contratos a termo (fim do prazo do contrato).
Fonte: Revista Gerente

últimos artigos

26.07.2021

Tribunal chumbou reforço de apoios a sócios-gerentes.

-»O Tribunal Constitucional chumbou um conjunto de normas que foram aprovadas pelo Parlamento em Mar...

26.07.2021

Promulgado prolongamento de moratórias bancárias até 31/12.

 -»Na passada 5ª feira, 22/7, o Presidente da República promulgou uma lei aprovada em Junho que es...

16.07.2021

Quantas faltas para despedir?

Qual o número mínimo de faltas injustificadas necessário para que uma empresa possa avançar para o d...