Dispensa de teletrabalho não necessita de autorização, mas ACT tem a última palavra…

No passado dia 3/11, foi publicado um Decreto-Lei (94-A/2020) que regulamenta as regras do teletrabalho obrigatório. Contudo, o mesmo trouxe muitas dúvidas, devido à forma como o diploma está redigido, pois altera outro Decreto-Lei e há normas que conjugam com as Resoluções de Conselho de Ministros.
 
Teletrabalho só é obrigatório nas zonas de risco: 121 concelhos
Em primeiro lugar, o teletrabalho só é obrigatório nas zonas de risco, isto porque o mesmo consta do novo artigo 5º-A que foi introduzido no Decreto-Lei 79-A/2020 (o diploma que estabeleceu os horários desfasados). Ora, conforme referimos no início de Outubro, esse Decreto-Lei só é activado nas zonas em que o Governo defina. Assim, neste momento, o teletrabalho está activado nos 121 concelhos considerados de risco, cuja lista vai ser revista na 5ª feira (12/11).
 
É necessária autorização da ACT para não ter teletrabalho?
As empresas não precisam de pedir qualquer autorização à ACT para haver dispensa de teletrabalho, basta que comuniquem por escrito aos trabalhadores que as funções não são compatíveis ou que não há condições técnicas para a sua implementação. Assim, a ACT só analisa a situação, caso exista uma reclamação do trabalhador no prazo de 3 dias úteis em que irá verificar se os fundamentos da empresa estão ou não correctos. Para além disso, o próprio trabalhador pode recusar o teletrabalho, alegando que não tem condições para tal.
Fonte: Revista Gerente

últimos artigos

24.12.2020

Boas Festas


22.12.2020

Publicado pagamento de IVA em prestações em 2021

Foi, recentemente, publicado um Decreto-Lei (103-A/2020) que estabelece a possibilidade de pagamento...

21.12.2020

Novo Despacho: Devolução do PEC e limitação dos pagamentos por conta

O Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais emitiu um novo Despacho (SEAAF 510/2020.XXII) que esclar...